Visitantes pelo mundo

Contato/Aulas de Inglês

email: tadeuabranches@hotmail.com

(Aulas individuais ou em grupos)


domingo, 3 de outubro de 2010

Alunos com Síndrome de Down


Muitas crianças com Síndrome de Down têm entrado em escolas da rede regular de ensino, nas escolas de inglês ou feito aulas com professores particulares.
Inevitavelmente, muitos professores acham a idéia de incluir alunos com Síndrome de Down em suas classes preocupante e ficam apreensivos a princípio. Porém, a experiência demonstra que a maioria dos professores têm as ferramentas necessárias para entender as necessidades específicas destas crianças e são capazes de ensiná-los efetivamente e com sensibilidade.

Há muitas razões por que uma criança com Síndrome de Down deve ter a oportunidade de frequentar aulas de inglês.
Cada vez mais pesquisas tem sido publicadas e o conhecimento sobre as capacidades de crianças com Síndrome de Down e o potencial de serem incluídos com sucesso tem aumentado. Ao mesmo tempo, os pais têm se informado mais sobre os benefícios da inclusão. Além disso, a inclusão é não discriminatória e traz tanto benefícios acadêmicos quanto sociais.

Crianças com Síndrome de Down típicas possuem dificuldade de fala e linguagem.
O atraso na linguagem é causada por uma combinação de fatores, alguns deles físicos e alguns devido a problemas cognitivos e de percepção. Qualquer atraso em aprender a entender e usar a linguagem pode levar a um atraso cognitivo. O nível de conhecimento e entendimento e, logo, a habiliade de acessar o currículo vai inevitavelmente ser afetada. Habilidades receptivas são mais desenvolvidas do que habilidades de expressão. Isso quer dizer que as crianças com Síndrome de Down entendem mais do que são capazes de expressar. Como resultado disso, as habilidades cognitivas destes alunos são freqüentemente subestimadas.
Além disso, a combinação de ter uma boca menor e músculos da boca e da língua mais fracos torna a formação das palavras fisicamente mais difícil, e quanto maior a frase maiores ficam os problemas de articulação.

Já tive alunos com Síndrome de Down, que eram colocados na sala de aula sem um treinamento mínimo do professor feito pela escola.
São alunos carinhosos, dedicados e entusiasmados, mas que são submetidos a testes e provas regulares, juntamento com os outros alunos.
O que percebí é que eles conseguem chegar ao nível intermediário, mas a partir daí, sentem uma grande dificuldade em relação às estruturas e vocabulários mais elaborados.
Muitas vezes essa pressão é feita por parte dos pais em relação à escola. Eles querem que seu filho seja tratado com naturalidade, sem diferenças, mas quando fazem provas mais difíceis e não conseguem acertar, ficam extremamente tristes e frustrados.
Na minha opinião, eles devem sim frequentar as aulas, devem ser encorajados a participar, mas ao mesmo tempo não se deve exigir notas e resultados tão elevados.

ALGUMAS ESTRATÉGIAS QUE PODEM SER USADAS POR PROFESSORES, QUANDO POSSÍVEL, EM SALA DE AULA:
- Dar tempo para o processamento da linguagem e para responder.
- Falar frente à frente e com os olhos nos olhos do aluno.
- Usar linguagem simples e familiar, com frases curtas e enxutas.
- Checar o entendimento – pedir para a criança repetir instruções dadas.
- Evitar vocabulário ambíguo.
- Reforçar a fala com expressões faciais, gestos e sinais.
- Ensinar a ler e usar palavras impressas para ajudar a fala e a pronúncia.
- Ensinar gramática com material impresso, cartões de figuras, jogos, figuras de preposições, símbolos, etc.
- Evitar perguntas fechadas e encorajar a criança a falar além de frases monosilábicas.
- Encorajar o aluno a falar em voz alta na sala dando a ele estímulos visuais. Permitir que eles leiam a informação pode ser mais fácil para eles do que falar espontaneamente.
- O uso de um diário para casa e escola pode ajudar os alunos a contar suas “ novidades”.

O que realmente importa é que a criança tenha um professor que tenha entusiasmo e boa vontade em ensinar, que seja aceita pelo restante do grupo, que sinta felicidade em estar na aula.
O resto será pura diversão ao aprender o novo idioma.

5 comentários:

  1. Na Teoria parece super fácil, ma sé impossível dar atenção a todos os alunos e mais um aluno com down.

    ResponderExcluir
  2. A Questão não é a teoria e sim a dedicação e capacidade de ensinar do professor. Gostaria de compreender o motivo deste comentário acima em que se utiliza a expressão "...e mais um aluno com down". Com ou sem Down todo aluno que queira realmente aprender (que não esteja na escola só para matar o tempo, traficar ou namorar) deve ser respeitado.

    Se não tentar mudar a metodologia e didática, é óbvio que haverá ainda mais a promoção da desigualdade. Mas professor motivado é capaz de transformar a teoria em realidade.

    ResponderExcluir
  3. Olá!!
    Meu nome é Anderson e sou estudante universitário de Letras/Inglês. Estou tentando organizar um artigo sobre o ensino da língua ingles para crianças com síndrome de down, a fim de apresentá-lo em algum evento da minha área, e quem sabe, consecutivamente abordar esse tema no meu TCC.
    Gostaría, então, se possível, que você me auxiliasse com alguns textos que possam me orientar nese trabalho.
    Segue meu email: anddersonsilvah@r7.com

    ResponderExcluir
  4. Olá! Tenho um aluno com down e estou achando muito complicado trabalhar inglês com ele. É uma sala de 6º ano com 30 alunos. Esse aluno é bastante diferente das outras crianças com down que eu já conheci... Ele só entra na sala de cabeça baixa e só senta se um professor ou algum colega o colocar em sua cadeira. Ele não nos olha nos olhos, faz coisas feias com os colegas, como cuspir na cabeça do aluno da frente, cuspir na cadeira para o colega sentar e outro dia, em minha aula, ele levou duas facas e disse que ia matar colegas que mexiam com ele. O problema é que ninguém mexe com ele, muito pelo contrário, os colegas sempre o ajudam com as tarefas, a sentar em seu lugar, a ir para o recreio... Ele não interage com nenhum professor, não sabe ler nem mesmo escrever o próprio nome. Acho complicado se falar em inclusão quando, na realidade, esse aluno está sendo excluído, já que ele não acompanha uma turma de 6º ano mas teve que ser empurrado em todas as séries por ser especial, pois é isso que acontece (pelo menos em escola pública, que é a minha realidade). Trabalhar inglês individualmente com um aluno, por ele ser especial, e ainda dar aula a mais 29 alunos, em apenas 50 minutos de aula, está sendo bem difícil pra mim. Porém a supervisão tem cobrado que eu faça algo diferente com ele e me sinto sem saída. Será que alguém pode me dar uma orientação sobre como trabalhar inglês com esse aluno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! se quiser podemos conversar. Tive uma experiência similar...meu email juldias@gmail.com :)

      Excluir